Cresce o número de casos em que os hospitais prolongam os dias de internamento | Antena Livre

No Interior cresce o número de situações em que os hospitais prolongam os dias de internamento pelo facto de não estar garantido que o doente é acolhido na família ou na rede social.

As famílias distantes, a ausência de vizinhos face ao despovoamento, a falta de respostas sociais imediatas são as causas de cada vez mais casos identificados pelos hospitais que decidem manter por alguns dias o doente internado, enquanto os familiares se organizam para o receber, ou que surja uma vaga numa instituição social.
O último Barómetro de Internamentos Sociais – uma iniciativa da Associação Portuguesa dos Administradores Hospitalares –, refere que existem cerca de 21 mil camas no Serviço Nacional de Saúde e cerca de seis por cento estavam ocupadas com casos sociais.

O internamento hospitalar por motivos que não sejam médicos tem maior expressão nos grandes centros urbanos mas já não é assim tão estranho nas unidades hospitalares do Interior.

“Quando às idades, 22 por cento correspondem a pessoas entre os 18 e os 65 anos, 36 por cento referem-se ao intervalo entre os 65 e os 80 anos e 41por cento dizem respeito a internamentos de utentes com mais de 80 anos, apenas um por cento respeita a pessoas com idade inferior a 18 anos”, diz o estudo da Associação Portuguesa dos Administradores Hospitalares .

Share This

Antena Livre

Partilhe com os seus amigos